Cinema Críticas

Crítica | Como se Tornar o Pior Aluno da Escola

Longa de Fabrício Bittar foi feito para geração Y
Daniel Pimentel
Protagonista interpretado por Daniel Pimentel passa por poucas e boas para se tornar o pior aluno da escola (Foto: Divulgação)

A principal função de uma comédia é fazer o público rir, e nisso o filme “Como se Tornar o Pior Aluno da Escola” faz com maestria. Todos os méritos vão para o diretor Fabrício Bittar, guarde esse nome, é ele que, com Danilo Gentili no roteiro, rompe as regras do que é socialmente aceito e tira sarro do politicamente-correto.

O longa é inspirado no polemico livro homônimo publicado em 2009, pelo apresentador e comediante Danilo Gentili. Nessa nova história, Pedro (Daniel Pimentel) e seu fiel escudeiro Bernardo (Bruno Munhoz) estão frustrados com as obrigações escolares e as rigorosas regras do diretor Ademar, vivido por Carlos Villagrán – o Quico da série “Chaves”. Aflito por precisar tirar 10,2 na prova para não reprovar de série, Pedro encontra um diário que ensina como armar o caos na escola e colar sem ser pego, o que leva a dupla numa busca pelo antigo proprietário daquele caderno inestimável.

Do segundo até o terceiro ato, Danilo Gentili domina o andamento da história, traz pequenas indagações em forma de diálogo que faz os protagonistas e o publico pensarem sobre o sistema de ensino no Brasil. Há várias pinceladas durante a trama com grandes implicações reflexivas contrastantes: moralidade e desonestidade, anarquismo e autoritarismo.

Palmas para Moacyr Franco que rouba a cena ao interpretar um zelador boca suja. O filme, porém, não desenvolve seus personagens menores como a garota popular da escola (Giulia Oristanio), ou o chato da turma (Luiggi Vizzuso), eles não passam de dispositivos da trama para desenvolver a ideia medular. O que faz sentido, pois a narrativa ficaria inchada se todos tivessem um arco. Graças a isso, as peças principais transmitem a ideia central que é sobre a falsa dualidade da vida, a desordem como resposta a opressão.

Como se Tornar o Pior Aluno da Escola
Bruno Munhoz e Daniel Pimentel protagonizam o longa (Foto: Divulgação)

O público tem que compreender a não levar o filme a sério, a verdade é que não é para pessoas que gostam de cinema de arte, gravado em preto e branco, melancólico, cheio de angulos fechados e planos detalhados. “Como se Tornar o Pior Aluno da Escola” é cheio de piadas  sujas (o que não tiram de destaque seus pontos positivos) e feito para a geração Y, que vê o mundo em cortes rápidos, que não liga para as consequências e não consegue esperar por nada.

O longa não chega aos pés das comédias estudantis dos anos 80, como “A Vingança dos Nerds”, “Curtindo a Vida Adoidado” e “Mulher Nota 1000”, mas é divertido, bem editado e com questionamentos interessantes.

COMO SE TORNAR O PIOR ALUNO DA ESCOLA 
ELENCO: Daniel Pimentel, Bruno Munhoz, Danilo Gentili, Carlos Villagrán, Moacyr Franco, Fábio Porchat
DIREÇÃO: Fabrício Bittar
ESTREIA: 12 de Outubro
ORIGEM: Brasil
AVALIAÇÃO: ★★★★ 4,7/ 5

 

*Colaborou, em São Paulo: Ademir Meneses