Colunas Crônicas K

“Crônicas K”: Civilização pra quem?

Crônicas K: Civilização pra quem?
Temos que falar sobre o que acontece nos cárceres brasileiros...
Crônicas K: Civilização pra quem?
Super lotações é um dos maiores problemas no sistema carcerário (Foto: Divulgação)

Entre as muitas coisas erradas que existem no nosso país, não seria ousadia demais falar que o governo é um dos mais falhos, principalmente em questão de justiça. Não só quero expressar minha opinião sobre o sistema carcerário do Brasil, como também relatar o porque da minha indignação, que não é só minha mas com certeza da maioria do povo.

É muito triste para uma família ter que aceitar a dor da perda de um parente assassinado –muitas vezes torturado de formas absurdas que todos os dias vemos no jornal, fazendo com que assim acreditemos cada vez menos na esperança humana- então imagina só a angústia dessa família quando descobre que um marginal que iria cumprir uma pena de muitos anos na cadeia, acaba sendo solto em pouquíssimo tempo. Aí me pergunto, vamos confiar em quem? Que segurança temos?

Já não basta nossa lei do artigo 50 proibir a prisão perpétua, até para casos mais extremos como estupro com crianças, que eu particularmente acho um assunto indiscutível mas ficará para outra crônica, ainda temos que nos contentar a viver ao redor de ex-detentos que foram soltos por “boa conduta na cadeia”, mas que na realidade estão só esperando o momento certo para tirarem mais uma vida inocente.

Claro que existem arrependimentos, que existem pessoas que realmente querem recomeçar lá fora, mas eu acredito que sejam poucos os casos, e o governo tem culpa nisso, porque infelizmente os direitos humanistas não são para todos. Muitas crianças já nascem tendo que vender bala na rua ao mesmo tempo que ainda estão trocando os dentes de leite, quando poderiam estar estudando numa escola gratuita por direito que ensinem os verdadeiros valores de um cidadão.

Fora que o preço que se gasta com  um presidiário no Brasil é um absurdo e pode apostar, é muito mais que um salário mínimo, e eles ainda tem várias mordomias que pobres ou assalariados cidadãos de bem não tem, simplesmente porque esses direitos “iguais” não chega pra todos.

Dizem que quando um ex preso sai da cadeia, o objetivo é que ele possa ser reinserido na sociedade de novo, mas com que aprendizado, sendo tratados como animais lá dentro, sendo “bem-vindos” com violência sexual, mais comum no caso de estupradores, tendo que sobreviver dentro de celas com superlotações porque o Estado não dá suporte para que esses criminosos aprendam a se ressocializarem? Em resposta sobre um seminário que assisti esses dias, falando sobre o assunto “Ao invés de ressocializar, ele é praticamente contratado para o crime quando entra na prisão.”

Nem vamos falar dos casos onde um inocente é preso sem provas e passa anos na cadeia, sem ao menos ter cometido um crime, mas que por falha da justiça, pagou pelo que não devia e depois teve que lutar pela indenização. Sinceramente, não tenho muitas esperanças nem me animo com essas medidas “educacionais” do governo perante a essas pessoas que merecem uma segunda chance, porque chance é algo que um inocente que foi morto, voltando do seu suado trabalho, não terá nunca mais.

 

*Karla Sthéfany é jornalista e fotógrafa do Fama VIP Online. “Crônicas K” são quinzenais e as quintas-feiras.